Surf assegura presença em Paris 2024

Em causa a XXXIII Olimpíada.

O Comité Olímpico Internacional (COI) confirmou a continuidade do surf no calendário olímpico, com a modalidade a marcar presença, para já, em Paris 2024. João Aranha diz que é uma decisão esperada e que é “lógico e expectável” haver surf olímpico também em Los Angeles 2028.

“Mais que esperado”. É assim que João Aranha, presidente da Direção da Federação Portuguesa de Surf (FPS) reage à decisão do COI em manter o surf no programa olímpico em 2024, para os Jogos Olímpicos de Paris.

O presidente da FPS elabora, dizendo que “Depois de anos de ‘demarches’ da ISA e a consequente vitória histórica que foi a inclusão do surf nos Jogos Olímpicos de Tóquio, era mais que esperado que houvesse surf em 2024 e mais, em 2028. Ainda não sabemos, no caso dos Jogos franceses, se o surf vai ser no continente ou no Taiti, mas isso são pormenores. No fundo, a decisão não me surpreende minimamente e espero ver o mesmo para 2028, em Los Angeles.”

João Aranha acrescenta, contextualizando a decisão do COI: “Obviamente, estamos perante uma forte aposta do movimento olímpico em desportos com audiências mais jovens e em outros mercados. Assim se explica a inclusão da escalada, do skate e só isso justifica a inclusão do breakdance, por exemplo. Porém, de entre todos estes, o surf é o que tem mais projeção e mediatismo e o que representa o público mais vasto, além dos valores fundamentais para o novo século: ambiente, juventude, sustentabilidade, etc.”

A FPS, sublinha o seu presidente, também acompanhou o processo e esteve sempre do lado certo da história. ”O surf olímpico foi sempre uma clara aposta da Federação e um caminho trilhado desde o início por esta Direção que sempre acreditou na inclusão da modalidade no programa olímpico, quase como uma inevitabilidade”, afirma.

E também a previsão de João Aranha do surf em Los Angeles 2028 é defendida como “lógica e expectável”. “O surf em Los Angeles é uma presença lógica e expectável porque a Califórnia é o berço do surf moderno da mesma maneira que o Havai o é para o surf ancestral. Los Angeles, pela sua história em comum com o surf, pelas raízes que a modalidade tem ali terá, inevitavelmente, surf olímpico, não tenho dúvidas a esse respeito”, termina por dizer.

Vale recordar, porém, que o surf só terá a sua estreia oficial nos Jogos Olímpicos de Tóquio, a realizar no verão de 2021, e que as últimas vagas (de surf) para a competição só serão conhecidas em junho do mesmo ano.