Seleção Nacional de Juniores faz 7.º lugar no Mundial da Califórnia

Afonso Antunes trouxe medalha de bronze para casa.

Afonso Antunes, de 16 anos, que reside na zona oeste, foi fundamental para Portugal alcançar o maior número de pontos de sempre na prova e segue as pisadas de Tiago Pires e Vasco Ribeiro, antigos medalhados nesta competição.

Afonso Antunes cumpriu as expectativas que o rodeavam à partida para o Mundial de Juniores de Huntington Beach, na Califórnia (EUA), conquistando a medalha de bronze do escalão sub-16. Feito que, a par do 9.º lugar de Mafalda Lopes (sub-18 feminino) e o 10.º posto de Guilherme Ribeiro (sub-18), ajudou sobremaneira a Seleção Nacional a alcançar um histórico sétimo lugar, com o maior número de pontos alguma vez alcançados por Portugal nesta competição.

Porém, não foi uma caminhada fácil para Afonso Antunes. Depois de ter sido relegado para as repescagens, o filho do antigo campeão europeu João Antunes teve de passar dois heats de repescagens para chegar à final das medalhas.

Na finalíssima, o havaiano Jackson Bunch não deu qualquer hipótese à concorrência, “inventando” uma onda de 9 pontos logo na primeira investida da bateria, juntando-lhe depois, já no final, mais um aéreo que lhe valeu um 8.00. Pelo meio, ainda descartou um 7.33 e terminou com um total de 17.00 pontos.

Os outros três surfistas, onde se incluíam, além de Antunes (10.50), os norte-americanos Taj Lindblad e Ryan Huckabee, nunca tiveram a sorte de apanhar ondas daquela qualidade e pareciam estar a surfar outra bateria, noutro oceano qualquer, pelo que disputaram os outros lugares do pódio, com Lindblad (10.53) a garantir a prata e Huckabee (9.46) o cobre correspondente à quarta posição.

No final, o Selecionador Nacional David Raimundo fez um balanço obviamente positivo da participação nacional: “Chegou ao fim um campeonato que foi uma ultramaratona, mas na qual conseguimos alcançar os nossos objetivos, nomeadamente, trazer uma medalha e melhorar a posição do ano passado [11.º], sendo que chegámos muito, muito perto de romper o ‘top 5’ naqueles que foram, sem dúvida, os Mundiais Juniores mais disputados de sempre.”

Quanto ao herói do derradeiro dia, Afonso Antunes, a alegria misturava-se com a frustração de não ter conseguido a medalha mais desejada: “As minhas expectativas eram mais altas do que uma medalha de bronze, gostava de ter ganho o ouro, mas não consegui encontrar-me com o mar. Mas é claro que apesar de estar um bocadinho frustrado, estou muito contente com o resultado.”

Confrontado com a herança histórica de antigos medalhados em Mundiais de Juniores, como foram Tiago “Saca” Pires ou Vasco Ribeiro, o jovem surfista luso confessou: “É uma honra estar em tão boa companhia e um orgulho estar a esse nível. É uma motivação muito grande, mas sei que tenho de ir com calma. Para o ano, quero começar a correr o circuito de qualificação mundial [WQS] mais a sério mas sempre a par dos Pro Junior. Quero levar a minha carreira com calma, sem precipitações.”

Parabéns ao Afonso. E parabéns, claro, à Seleção Nacional pelo incrível desempenho!