Espanha é a grande vencedora do EuroJunior 2022

Prova internacional decorreu na Praia do Mirante.

Espanha é a grande vencedora do Eurosurf Junior 2022, que terminou este sábado na Praia do Mirante, onde decorreu o Santa Cruz Ocean Spirit. Esta foi uma conquista inédita da equipa espanhola, que viu três dos seus atletas a dominar as suas categorias. No pódio por equipas seguiram-se França, Portugal e Inglaterra, respetivamente, num campeonato que contou com 2.846 ondas surfadas e pontuadas ao longo da semana.

“Depois de muito trabalho com os atletas espanhóis, por fim chegou, aqui na praia de Santa Cruz, este triunfo pelo qual esperámos muitos anos”, contou o selecionador espanhol de surf, Pablo Solar, depois dos festejos dentro da piscina da Aldeia Neptuno. Se o foco continua a ser o “trabalho com as crianças mais pequenas, levando-as ao mundo do surf de competição”, Solar assume que o grande objetivo passa por levar Espanha aos Jogos Olímpicos 2024, algo que não aconteceu no ano de estreia da modalidade.

Daniela Sevillano foi a longboarder espanhola que conquistou o primeiro lugar no Sub-18, com a sua última onda a valer uma reviravolta na bateria, que parecia estar entregue a Lola Bleakley (Inglaterra). “Foi uma bateria muito complicada, pensava que não iria ganhar”, explicou Sevillano visivelmente satisfeita. “Estou super contente, por mim e pela minha equipa, que realizou um resultado muito bom neste campeonato.”

Espanha arrebatou outras duas categorias, com Annette Etxabarri a sagrar-se campeã no surf Sub-16 e Kai Odriozola no surf Sub-18. O jovem espanhol dominou, numa bateria em que Martim Nunes (Portugal) ficou em 4.º lugar. “Queria ter feito mais. Na final, as coisas não correram como esperado. Porém, ao fazer uma retrospetiva da semana inteira, é motivo para estar super contente pelo surf e pelos scores que consegui fazer”, explicou o português.

“Todos os elementos da equipa portuguesa deram tudo até aos últimos segundos das suas baterias. Queríamos ganhar, obviamente, mas estamos conscientes de que fizemos o máximo pelo nosso país” defendeu Nunes, um dos quatro portugueses a figurar nos pódios individuais desta prova, em que participaram 171 atletas de 14 equipas.

Para o presidente da Federação Portuguesa de Surf, João Aranha, Portugal contava com “uma equipa nova que foi a El Salvador [Mundial Júnior ISA] e teve um resultado muito bom. Aqui, sabíamos que a tarefa não seria fácil e de repente tivemos seleções muito fortes a aparecer, como Inglaterra, a própria Alemanha e Itália.” Na opinião do responsável máximo português, “ganharam as seleções que deviam ganhar. Espanha, França e Portugal tiveram os resultados que se revelaram os reais e legítimos para as suas aspirações.”

Longboard Sub-18 masculino

  1. Arthur Randall (Inglaterra)
  2. Filippo Marullo (Itália)
  3. Alfonso Zamora (Espanha)
  4. Frederico Carrilho (Portugal)

Longboard Sub-18 feminino

  1. Daniela Sevillano (Espanha)
  2. Lola Bleakley (Inglaterra)
  3. Cannelle Lebreton (França)
  4. Lisa Boos (Alemanha)

Surf Sub-16 masculino

  1. Lukas Skinner (Inglaterra)
  2. Matias Canhoto (Portugal)
  3. Inigo Madina (França)
  4. Axel Dominguez (França)

Surf Sub-16 feminino

  1. Annette Etxabarri (Espanha)
  2. Anaïs Blanchard (França)
  3. Tiara Van Der Huls (Países Baixos)
  4. Tya Zebrowski (França)

Surf Sub-18 masculino

  1. Kai Odriozola (Espanha)
  2. Nicolas Paulet (França)
  3. Noa Dupouy (França)
  4. Martim Nunes (Portugal)

Surf Sub-18 feminino

  1. Alys Barton (Inglaterra)
  2. Lucia Machado (Espanha)
  3. Gabriela Dinis (Portugal)
  4. Sarah Leiceaga (França)