“Sabes costurar? Eras menina para me fazeres uma capa para o longboard?” Pergunta o Billy
E o acaso revelou a oportunidade que deu origem à Flahica, nomeada com o nome de uns desenhos animados que assistia na infância. O nome era provisório, mas foi ficando adjectivo das capas produzidas à mão, uma por uma, ponto por ponto, que começaram a vestir de inspirações vintage e padrões retro as pranchas “fun” e clássicas, primeiro dos amigos da Inês, a alma por detrás do projecto, e depois os amigos dos amigos que começaram também a pedir as suas boardbags custom.
Decidiu instalar o seu atelier no “estaminé”, como carinhosamente adjectiva a fábrica da Foil surfboards, onde dá a conhecer as capas flahica a cada interessado nas pranchas clássicas produzidas também à mão pelo Billy, o seu impulsionador. é uma troca de sinergias e inspirações. Sugere algumas combinações de tecidos, que ela mesma escolhe em antigas retrosarias e armazéns de lojas esquecidas no tempo, numa espécie de “pimp my ride”, podemos chamar-lhe assim em modos de brincadeira.
Mas a verdade é que a industria do surf está focada essencialmente nos produtos “performance”, e não é fácil encontrar um saco de viagem para pranchas fun, mais largas e grossas que as normais shortboards, assim como o aspecto rústico e vintage que caracteriza a tribo do surf alternativo, inspirado no lifestyle das raízes do surf.
Mais do que uma meia, as capas Flahica têm um interior de esponja revestida com plastificado impermeável, e extra revestimento nos rails, que asseguram a segurança do transporte da prancha, e cada capa é única e à medida do gosto de cada surfista que a procura.